.

.
.

Oposição convoca secretários com ajuda do PT

A Câmara Municipal de Santarém foi palco de uma verdadeira batalha travada hoje pela manhã. De um lado, os cavaleiros da oposição e soldados da sociedade civil organizada e de outro a tropa de choque do governo municipal, comandada pelo vereador Emir Aguiar (PR).

Emir tinha uma árdua missão pela frente: não deixar que fosse aprovado um requerimento, de autoria de Henderson Pinto (DEM), que pedia a convocação, em sessão especial, dos secretários de Planejamento (Everaldo Martins), Infraestrutura (Alba Valéria) e Agricultura e Abastecimento (Osmando Figueiredo).

Ambas as partes munidas do regimento interno da Casa, Lei Orgânica Municipal, Constituição Federal, e etc, Emir começou a blindagem dos secretários pedindo vistas ao requerimento. Em seguida, fez uma emenda que rebaixava o comparecimento dos secretários a uma mera ‘reunião de trabalho’. Nesse caso, ocorreria sem a presença do ‘clamor social’ e da imprensa em massa, além do que os secretários poderiam faltar e/ou mandar representantes, o que os solicitantes não queriam. O tema da sessão seria infraestrutura urbana e rural e planejamento.

Apesar do clamor social (plenária lotada), a tropa de choque do governo, maioria na Casa, sem problema algum conseguiu aprovar a emenda feita por Emir.

Erasmo Maia (DEM) decidiu pedir vistas do requerimento por cinco minutos. Os dois exércitos se reuniram em lados opostos e confabularam (foto). Não houve acordo. Então, o documento voltaria à votação. Apesar de ser formado na escola de guerra do governo, Carlos Jaime (PT) também lutava pela convocação dos secretários.

Mas sem a maioria para provar o requerimento, Henderson Pinto decidiu retirar a sua solicitação. Foi quando Erasmo Maia munido da Lei Orgânica Municipal chamou atenção para um dispositivo que permitia a convocação dos secretários com apenas a aprovação da maioria da Comissão de Constituição e Justiça, composta por ele, Maurício Correa (PMDB) e Carlos Jaime, o único que assinou o documento com o democrata.

A convocação foi então aprovada, o que eles chamaram de ‘plano B’. Resta saber se a convocação será cumprida. Segundo Maia, se os secretários não obedecerem ao chamado vão estar cometendo crime de responsabilidade.

Destaque para Carlos Jaime que não titubeou ao está entre o ‘optar pelo partido ou optar pela base’, escolheu a base.

Comentários

Maria Luzinete Sousa disse…
Esse sim é do PT Pra Valer, pois soube honrar os ensinamentos do próprio partido.
Finalmente vejo um vereador do PT que não se curva aos desmandos do governo, ainda que tenha que cortar na própria carne, como prometeu Lula. Isto é coerência e respeito pelos eleitores que o colocaram na Câmara. Continue assim Vereador.

.

.