.

.
.

Desvios no Turismo são estimados em ‘R$ 4 milhões’



Chama-se Celso Leal o procurador que representa o Ministério Público Federal no caso que arrastou o Minitério do Turismo para o noticiário dos escândalos.

Lotado no Amapá, o procurador informou que os desvios sob investigação são estimados em R$ 4 milhões.

Deve-se ao TCU, segundo Leal, a descoberta dos indícios de malfeito. Envolvem um convênio celebrado em 2009, ainda sob Lula.
Numa ponta, a pasta do Turismo. Na outra, o Ibrasi, instituto sediado em São Paulo. Entre os dois, a Viúva.

Liberou-se a verba da veneranda e desprotegida Senhora a pretexto de financiar cursos profissionalizantes no setor turístico.

Segundo o procurador, o dinheiro foi direcionado por emendas de parlamentares e os cursos jamais ocorreram.

O convênio foi "uma grande fraude para desviar dinheiro do ministério", diz Leal.

Daí a Operação Voucher, levada ao asfalto pela Polícia Federal nesta terça (9), com a execução de 38 ordens de prisão.

O procurador Celso Leal avalia que, tomados os depoimentos dos presos, o inquérito da PF sera concluído em duas semanas.
Depois, serão protocoladas na Justiça as ações penais e por improbidade administrativa contra os envolvidos.

Comentários

.

.