.

.
.

Do movimento 'Vem pra rua' para o 'vem pra urna'

Dayan Serique (PPS).

É impressionante como a corrupção toma conta do país, todos os dias são noticias em jornais, blogs, revistas, denúncias de superfaturamento, desvios de verbas, licitação viciada e tantas outras formas de má conduta de agentes políticos e gestores públicos por esse país a fora, mas faço aqui uma pergunta, de quem é a culpa dessas pessoas estarem nesta condição? Quem lhes dá poder? De quem é a obrigação de fiscalizar suas ações?

No primeiro momento os primeiros nomes que vem a tona são: Câmara de vereadores, Assembleia Legislativa, Ministério Público, imprensa, Tribunais de contas, etc, não necessariamente nesta ordem, mas estes são os nomes a quem imputamos o dever de fiscalizar e acompanhar os agentes políticos e gestores públicos. Porém, não podemos esquecer que o dinheiro é público e isso implica no acompanhamento de todos, até porque, muitos órgãos que deveriam fazer essa fiscalização, estão comprometidos com o famigerado jeitinho brasileiro, o que é extremamente nocivo para a sociedade, daí a necessidade de eu, você, isso mesmo, você que diz que não gosta de política, enfim, de todos fazerem esse acompanhamento e fiscalização.

É preciso um maior engajamento da sociedade, não só virtualmente, ou de forma efêmera como foi o movimento que tomou as ruas de diversas cidades brasileiras, é preciso ir além, comprometer-se, colocar seu nome em analise nas urnas, pois se as pessoas de bem não participarem da política, só quem ganha com isso são os políticos, que estão no poder de forma secular, aqueles com ficha suja, aqueles que pregam que política é coisa de ladrão, só para que as pessoas de bem não participem da política, e esse discurso funciona, pois já vi professores doutores falarem tais asneiras.

O movimento #VemPraRua foi importante no sentido de mobilizar a população, mas isto não é suficiente, para que pudéssemos ver mudanças na política e na Administração Pública, o que vai mudar o jogo é o movimento #VemPraUrna, porque é muito fácil sair às ruas com cartazes, gritar palavras de ordens, pintar a cara de verde e amarelo, onde todos possam ver que você é revolucionário, mas na hora em que é pra fazer a verdadeira diferença, na hora em que está só o eleitor e a urna se age de forma diferente, o ato do voto não tem compromisso, votasse no candidato que está na frente pra não perder o voto, votasse por cesta básica, passagem, dentadura, telha, e por aí vai...

Espero que a mobilização em prol de uma política séria continue e que as pessoas de bem desse país possam sair do discurso e se engajar mais, de forma mais comprometida, sair de sua zona de conforto e somar forças com aqueles que também querem ver esse país mais justo, fraterno e democrático, ou seja, que este movimento sai das Ruas e tome conta das urnas!!!

*É vereador santareno do PPS

Comentários

.

.