.

.
.

Empresas santarenas são qualificadas para fornecerem aos grandes projetos

De acordo com levantamento da Federação das Indústrias do Pará (Fiepa), as regiões sul e sudeste e a porção oeste do Estado receberão, até o final de 2016, mais de R$ 100 bilhões em novos investimentos decorrentes da iniciativa privada. São empreendimentos de ampliação e instalação de projetos mineradores, de estruturação da cadeia siderúrgica e de geração de energia. Para que micro, pequenos e médios empresários paraenses possam atender a estes grandes projetos como fornecedores de bens e serviços, a Federação, por meio da Rede de Desenvolvimento de Fornecedores do Pará (Redes), realiza, ao longo do mês de setembro, visitas às empresas de Paragominas, Santarém, Altamira e Parauapebas, municípios que concentrarão grande parte dos investimentos industriais.
 
Agora, os consultores da Redes estão em Santarém, onde devem ficar até o dia 13 de setembro, fazendo um levantamento do mercado local de fornecedores daquele município. Altamira e Parauapebas serão as duas últimas cidades que receberão o mutirão. A iniciativa da Fiepa contará com o apoio das Associações Comerciais e Industriais dos municípios por onde passará o mutirão da Redes. Paragominas, por exemplo, que deverá receber dois grandes projetos para a ampliação da exploração mineral e outro de reflorestamento, recebeu o mutirão já na primeira semana de setembro.
 
Segundo o presidente da Fiepa, José Conrado Santos, a iniciativa de qualificar empresários locais veio em consequência a o estudo de cenário que a Federação desenvolveu para o período de 2012-2016. “O cenário de novos investimentos é positivo e é uma preocupação da Federação de que os empresários genuinamente paraenses, que já estão neste Estado há anos, empregando e gerando riquezas, se beneficiassem de alguma forma dos grandes empreendimentos. Nesta perspectiva, reforçamos a atuação da Redes, que já vinha qualificando os micro, pequenos e médios empresários, para que estes investimentos sejam internalizados aqui mesmo, no Pará”, defendeu Conrado, que explica a iniciativa. “Esta não é uma ação protecionista. O que estamos fazendo é qualificar empresários daqui mesmo, a fim de nos fortalecermos localmente e contribuirmos de maneira direta para o desenvolvimento regional do Estado”.

A meta do mutirão da Redes é que 350 empresas de diversos segmentos recebam a visita dos consultores da Redes para serem diagnosticadas e orientadas quanto as oportunidades de negócios no Estado. "Mapeamos as demandas dos principais projetos industriais e descobrimos que há oportunidades reais de negócios para diversos segmentos. Nosso desafio é encontrar novas empresas nessas regiões e prepará-las para atender essas demandas, "afirma Marcel Souza, coordenador geral da Redes.
 
Durante o mutirão, os consultores farão prospecção de novos fornecedores, além do diagnóstico para posterior atualização cadastral das empresas que já compõem o banco de dados da Redes. Atualmente, o banco conta com cadastro de mais de 2.000 empresas com matriz no Pará. Durante as visitas, os consultores também apresentarão a nova estrutura da iniciativa da Fiepa, que atua há 13 anos no Estado, acumulando em seu histórico vários resultados positivos de internalização de riquezas através das compras locais.

“Nosso primeiro desafio é apresentar aos empresários que, cada vez mais, surgem novas oportunidades por parte dos grandes projetos. Além disso, pretendemos fazer com que os micro, pequenos e médios empresários entendam a importância de se adequar as diretrizes do mercado”, sinalizou Marcel. (Ascom Faciapa)

Comentários

.

.