.

.
.

.

.

.

.

Vereadores querem audiência pública para discutir situação das linhas de ônibus


Pelo menos três vereadores fora unânimes em afirmar, na manhã de hoje (terça-feira, 14), que se deve aprovar uma audiência pública  para discutir assuntos relacionados ao transporte público de Santarém. Os vereadores Chiquinho da Umes (PSDB), Luiz Alberto (PP) e Marcela Tolentino (SDD) acordaram durante a sessão que a solicitação será feita perante à mesa diretora da Casa Legislativa.

O vereador Chiquinho da Umes disse que, há tempos, o legislativo municipal tem recebido inúmeras denúncias sobre as condições de trafegabilidade dos ônibus e do tratamento dispensado aos usuários. Ele informou que uma audiência pública deve ser aprovada para o próximo mês com o objetivo de discutir essa problemática.

“São inúmeras denúncias que chagam a esta Casa. Hoje, o colega Luiz Alberto denunciou que passageiros passam por constrangimento devido ao valor cobrado pela empresa Borges no trecho Santarém Alter do Chão. Vamos aprovar para o próximo mês uma audiência pública, haja vista que entramos com requerimento para equiparar as passagens e até agora não aconteceu. Vamos aprovar audiência até novembro. Queremos transporte de qualidade para o usuário que já paga muito caro. É uma reposta aos anseios da população”, pontuou Chiquinho da Umes.

O vereador Luiz Alberto reclamou mais uma vez do valor passagem cobrado para a vila balneária de Alter do Chão. Segundo o parlamentar, em comparação com a comunidade de São Jorge, o valor é inaceitável. “Para Alter do Chão paga-se R$ 2,50 e para o São Jorge o valor é de R$ 1,90. Queremos equiparação de valores para beneficiar as comunidades que usam o transporte para ir até a cidade e voltar para a vila”, argumentou.



Para a vereadora Marcela Tolentino, as empresas que prestam o serviço não oferecem “conforto” e “segurança” aos passageiros. “Eles [os ônibus] não oferecem conforto nem segurança aos passageiros. Tem que abrir licitação para outras empresas. As empresas formam um verdadeiro monopólio que esmaga as concorrentes”, disse Tolentino.

Comentários