.

.
.

Sespa informa que a taxa de cura da hanseníase é de 79% no Pará

Da Agência Pará:



Neste domingo (26), comemora-se o Dia Mundial de Luta Contra a Hanseníase, celebrado anualmente desde 1954 no último domingo de janeiro. Em alusão à data, a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) lembra que a doença tem cura e que o diagnóstico precoce reduz a transmissão e o risco de deformidades físicas.

Segundo o médico dermatologista da Coordenação Estadual de Controle da Hanseníase da Sespa, Carlos Cruz, o controle da doença depende do diagnóstico precoce, uma vez que, identificada uma pessoa com os sinais e sintomas, ela e seus contatos (pessoas do convívio) iniciam imediatamente o tratamento. “Assim que o tratamento é iniciado, a pessoa deixa de transmitir da doença”, afirma.

Os principais sinais e sintomas da hanseníase são sensação de formigamento, fisgadas ou dormência nas extremidades; manchas brancas ou avermelhadas, geralmente com perda da sensibilidade ao calor, frio, dor e tato; áreas da pele aparentemente normais que têm alteração da sensibilidade e da secreção de suor; caroços e placas em qualquer local do corpo; e diminuição da força muscular (dificuldade para segurar objetos).

A transmissão ocorre pela respiração, por meio do contato com o doente de hanseníase que não está sendo tratado. O tratamento dura de seis a doze meses, dependendo da forma de manifestação da doença, e está disponível nas Unidades Básicas de Saúde, onde o doente recebe todos os medicamentos gratuitamente por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). Os remédios são específicos e distribuídos pelo Ministério da Saúde.


O coordenador estadual de Controle da Hanseníase, Luiz Augusto de Oliveira, informa que, em 2013 (dados parciais), o Pará registrou 2.679 casos novos, dos quais 373 em crianças menores de 15 anos de idade, contra 3.862 em 2012, dos quais 371 em crianças menores de 15 anos. A taxa de cura da hanseníase no Estado está perto de 79%, mas a meta do Pará é 88%, e o ideal é 90% de taxa de cura.

Quanto à taxa de abandono do tratamento, está em 5,3%, segundo o coordenador, o que é considerado ótimo, já que o ideal é que esteja abaixo de 10%. Também é boa a taxa de contatos que foram examinados no Estado, 72,6%, uma vez que o Ministério da Saúde preconiza 75%.

Segundo Luiz Augusto, este ano o Ministério da Saúde, em conjunto com o Estado e municípios, fará novamente, a partir de maio, a Campanha Nacional de Geomitíase e Hanseníase, que examina crianças nas escolas. Ano passado, foram identificadas 373 crianças com hanseníase em todo o Brasil, das quais 72 no Pará, a maioria delas (13) no município de Rondon do Pará.

Por falta de informação, o preconceito é um dos principais problemas ainda enfrentados pelas pessoas acometidas pela doença. Por isso, é importante ressaltar que ela tem cura e que ninguém precisa ficar isolado para se tratar, como ocorreu há muitos anos no Brasil e aqui Pará, quando homens e mulheres atingidos pela hanseníase foram isolados nas “colônias de hansenianos”, como em Marituba e Igarapé-Açu, e afastados dos filhos, que até hoje sofrem as consequências da segregação.

O papel da Sespa é principalmente de assessoria e apoio aos municípios e capacitação de profissionais para atuarem no Programa de Controle da Hanseníase. Em 2013, foram capacitados 270 profissionais médicos e enfermeiros dos municípios dos 13 Centros Regionais de Saúde. Um dos obstáculos enfrentados é a grande rotatividade dos profissionais nos municípios.

Segundo Carlos Cruz, a Sespa também firmou parceria com a Universidade Federal do Pará (UFPA) para atualização dos professores de dermatologia, visando à melhor formação dos profissionais de saúde no Estado, para que saibam identificar a hanseníase no início dos primeiros sinais. As pessoas com sinais e sintomas de hanseníase devem procurar a Unidade Básica de Saúde mais próxima de casa.


Texto:
Roberta Vilanova
Fone: (91) 4006-4822 / 4823 / (91) 8116-7719
Secretaria de Estado de Saude Publica

Comentários

.

.