.

.
.

.

.

.

.

Bloco das Virgens arrasta 30 mil foliões e encerra Carnaupaxis em Óbidos

Com um público de 30 mil pessoas, o irreverente bloco das Virgens encerrou na noite de ontem, 9, o Carnapauxis 2016, em Óbidos, no oeste paraense. Foram sete dias de muita folia. O evento teve apoio da Polícia Militar, Polícia Civil, Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Marinha e Corpo de Bombeiros. “Tivemos um carnaval tranquilo e sem ocorrências graves. Tudo dentro da normalidade”, avaliou o tenente Arthur Vasconcelos, da PM.

A coordenação da festa estima que mais de 150 mil pessoas circularam pelo Carnapauxis 2016. “Foram sete dias de festa. Tivemos dois dias de muita gente cerca de 30 e 40 mil pessoas. Ao todo, acreditamos que mais de 150 mil pessoas brincaram conosco o Carnapauxis 2016. Agora é trabalhar para o sucesso do evento para o próximo ano”, disse Sandro Silva, secretário de Cultura de Óbidos, que coordenou o evento carnavalesco.

No Carnaval, Óbidos fica tomada por turistas de vários municípios e estados. A empresária Chyntia Soares, de Curitiba, era só alegria ainda na concentração do bloco das Virgens. Ela contou que ficou sabendo da festa por meio de uma amiga que postava fotos da festa nas redes sociais. “Vi a beleza e grandeza de tudo isso e senti vontade de participar. Conversei com ela, peguei algumas informações e hoje estou aqui pulando carnaval na Amazônia”, disse satisfeita a empresária que ainda trouxe outras duas amigas. 

As marcas registradas do carnaval em Óbidos são a simplicidade, ausência de violência e democracia. “Aqui todos podem brincar o carnaval de forma igual, o rico e o pobre, o preto e o branco”, comentou a moradora Rose Barros.

Irreverência - O bloco das Virgens tem uma característica irreverente. Os homens se vestem de mulher e as mulheres de homens. Cada folião "bola" a sua fantasia e vai para as ruas da cidade. Quem não pode faltar também são os mascarados Fobós, figura emblemática do carnaval obidense.

O bloco das Virgens nasceu em 1993 num bar do bairro Santa Terezinha. Era 23 de fevereiro, uma terça-feira gorda de carnaval. No início, os brincantes eram apenas homens vestidos de mulheres. As mulheres “verdadeiras” eram proibidas de brincar. Com o passar do tempo, elas foram participando e decidiram se vestir de homens.

Também animaram o Carnapauxis 2016 os blocos Vai ou Raxa, Bloco Mirim Unidos do Umarizal, Bloco Serra da Escama, Bloco Águia Negra, Bloco Xupa Osso e Bloco Unidos do Morro.

História - O carnaval de Óbidos tem origem na colonização portuguesa. Segundo a literatura local, as famílias tradicionais da cidade realizavam os “entrudos” – batalha entre famílias munidas de fuligem de panela, farinha de trigo e tinta para “atacar” os transeuntes. A brincadeira durou até 1918 quando a diversão das famílias foi substituída pelas festas carnavalescas, momento em que apareceram os grandes bailes e os blocos. O primeiro, chamado de “Os espanadores”, era formado só por militares.

Havia também os cordões carnavalescos e os mascarados, que se fantasiavam para falar mal dos políticos e pessoas importantes da cidade. No final da década de 70, o carnaval de Óbidos desapareceu devido uma crise político-econômica. Ele ficou adormecido por quase vinte anos, quando em 1997 a festa ressurgiu. Assim a tradição do povo obidense continua viva entre os brincantes.

Alailson Muniz
Agência Pará

Secretaria de Estado de Comunicação

Comentários