.

.
.

.

.

.

.

Filme mais caro rodado na Amazônia abrirá Festival de Cinema do Rio, em setembro

Da Folha On Line:

"Amazônia - Planeta Verde", uma coprodução milionária entre Brasil e França em 3D, será o filme de abertura do Festival de Cinema do Rio, que começa em 26 de setembro. O longa de ficção dirigido pelo francês Thierry Ragobert ("O Planeta Branco") custou cerca de R$ 37 milhões e conta a história de um macaco prego que precisa sobreviver na floresta amazônica após um acidente de avião

O filme, rodado inteiramente em 3D na Amazônia, é a mais cara produção a tomar forma na região, reunindo uma equipe de mais de 180 pessoas e filmagens divididas ao longo de três anos sob a coordenação da produtora brasileira Gullane e da francesa Biloba. "O mundo inteiro veio à Amazônia filmar e queríamos fazer algo brasileiro, mas, ao mesmo tempo, temos um DNA internacional e um interesse pela coprodução", conta o produtor Fabiano Gullane, que começou a trabalhar no projeto em 2008 com o colega francês Stephane Milliere, autor da ideia sobre um macaquinho da cidade perdido na floresta.


Divulgação
Cena do filme 'Amazônia', que abre o Festival do Rio em setembro
Cena do filme 'Amazônia', que abre o Festival do Rio em setembro

"Não é um documentário, mas os franceses têm um background bacana em fazer trabalhos de pesquisa e capturar imagens lindas da natureza. Mas temos também uma preocupação com o drama", conta Gullane, que chamou o fotógrafo Araquém Alcântara para ser o consultor do filme e Luiz Bolognesi ("O Bicho de Sete Cabeças") para lapidar o roteiro dos franceses Johanne Bernard, Louis-Paul Desanges e Luc Marescot.
"Amazônia - Planeta Verde" fecha o Festival de Veneza, no dia 8 de setembro, parte para Toronto, onde será apresentado principalmente para o mercado americano --a produção já está vendida para mais de 30 países-- e assume a abertura do Festival do Rio, uma estratégia pensada pela produção, encarada como um filme-evento grandioso para estrear nas férias. "Ainda estamos decidindo se será em dezembro ou janeiro", conta Gullane

Comentários