.

.
.

.

.

.

.

Dia D marca início de Campanha Nacional de Vacinação contra paralisia infantil e sarampo

Estimativa é de que 12 milhões de crianças sejam vacinadas em todo o país. A campanha será realizada até o dia 28 de novembro em mais de 100 mil pontos de vacinação do SUS
O Dia D de mobilização para a vacinação contra a paralisia infantil e o sarampo, que será realizado neste sábado (08), marcará o início da Campanha Nacional de Vacinação. O ministro da Saúde, Arthur Chioro, participará da ação na unidade de saúde Gothardo Peixoto Figueiredo Lima, no Bairro Damas, em Fortaleza (CE). A mobilização será realizada em mais de 100 mil pontos de vacinação em todo o país. Haverá, ainda, um novo Dia D, em 22 de novembro, com o objetivo de reforçar o alcance da campanha. A expectativa é de que mais de 12 milhões de crianças sejam vacinadas até o dia 28 de novembro.

A campanha, que tem como objetivo manter a erradicação da poliomielite e garantir a eliminação do sarampo no Brasil, contará com a participação de mais de 350 mil profissionais de saúde. Além disso, estarão disponíveis 42 mil veículos terrestres, marítimos e fluviais, para garantir a vacinação aos locais de difícil acesso. Para garantir que o esquema básico seja  cumprido, as vacinas contra a poliomielite, o sarampo, rubéola e caxumba continuam disponíveis durante todo o ano nos postos de saúde do Sistema Único de Saúde.

“Neste sábado, realizaremos o Dia D da campanha de vacinação contra a poliomielite e contra o sarampo. Levem seus filhos para se vacinar em um posto de saúde para se proteger contra essas duas doenças já eliminadas do Brasil. Precisamos desse reforço para que elas não voltem a circular no país e a causar mortes e sofrimento a nossas crianças”, reforça o ministro da Saúde, Arthur Chioro.

A vacinação contra a poliomielite será destinada a crianças entre seis meses e cinco anos de idade incompletos. A medida tem como objetivo manter a erradicação da doença no Brasil, que não apresenta casos de poliomielite desde 1990. Para isso, o Ministério disponibilizará mais de 17,8 milhões de doses da VOP (Vacina Oral Poliomielite) durante a campanha. A meta é vacinar pelo menos 95% do público alvo, cerca de 12 milhões de crianças.


A recomendação do Ministério da Saúde é de que todas as crianças na faixa etária da campanha sejam vacinadas, pois a VOP vale tanto para colocar em dia a vacinação atrasada como para reforço de quem está com o calendário em dia. A VIP (Vacina Inativada Poliomielite),  utilizada no início de esquema de vacinação, também estará disponível para crianças com o calendário atrasado, ou seja, que não iniciaram o esquema de vacinação com as duas primeiras doses injetáveis, aos dois e quatro meses de idade.

“A poliomielite é uma doença que precisamos manter erradicada no nosso país, até porque ela ainda continua existindo em alguns poucos países da África e da Ásia. Portanto, ainda não podemos suspender, em definitivo, a vacinação. Ou seja, só podemos prevenir a paralisia infantil se nós conseguirmos atingir uma meta de mais de 95% das crianças que tenham entre seis meses de idade e cinco anos, ou que ainda não completaram cinco anos, que tomarão a vacina com a gotinha”, alerta o ministro Chioro.

Em relação ao sarampo, a recomendação é que sejam vacinadas crianças entre um e cinco anos de idade (incompletos). A meta é atingir ao menos 95% do público alvo, cerca de 10,3 milhões de crianças. Para isso, o Ministério da Saúde distribuirá mais de 11,8 milhões de doses da vacina tríplice viral, que além de imunizar contra o sarampo, também garante a proteção contra a rubéola e a caxumba.

Todos os estados e o Distrito Federal participarão da campanha de seguimento contra o sarampo. No estado do Ceará e em alguns municípios de Pernambuco, a vacinação foi antecipada a fim de interromper a cadeia de transmissão do vírus, devido ao registro de casos da doença em 2013 e 2014. Vale destacar que, apesar dos registros da doença nesses dois estados, todos os casos foram importados ou relacionados à importação, e o Brasil ainda é considerado livre do sarampo. No entanto, as crianças entre seis meses e cinco anos de idade incompletos que residem nesses estados devem comparecer aos postos de saúde para receberem a vacina contra poliomielite e atualizar a caderneta de vacinação para o sarampo, caso estejam em atraso.

POLIOMIELITE – A poliomielite é uma doença infectocontagiosa grave e a única forma de prevenção é por meio da vacinação. Na maioria dos casos, a criança não vai a óbito quando infectada, mas adquire sérias lesões que afetam o sistema nervoso, provocando paralisia irreversível, principalmente nos membros inferiores. A doença é causada pelo poliovírus e a infecção se dá, principalmente, por via oral.

Embora, atualmente, o Brasil esteja livre da paralisia infantil, é fundamental a continuidade das campanhas de vacinação, para evitar a reintrodução do vírus no país. De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), 10 países registraram casos de poliomielite em 2013 e 2014, sendo que três deles são considerados endêmicos (Paquistão, Nigéria e Afeganistão).

SARAMPO –  O sarampo é uma doença viral aguda grave e altamente contagiosa. Os sintomas mais comuns são febre alta, tosse, manchas avermelhadas, coriza e conjuntivite. A transmissão ocorre de pessoa a pessoa, por meio de secreções expelidas pelo doente ao tossir, falar ou respirar. As complicações infecciosas contribuem para a gravidade do sarampo, particularmente em crianças desnutridas e menores de um ano de idade. A única forma de prevenção também é por meio da vacina.

Os últimos registros de contágio autóctone de sarampo no Brasil ocorreram em 2000. Em 2013 e 2014, foram registrados casos importados ou relacionados à importação, com concentração nos estados de Pernambuco e Ceará. No mundo, em 2014, foram registrados 160 mil casos da doença, de acordo com a OMS. Cabe ressaltar que, com o fluxo de turismo e comércio entre os países, o risco de importação do vírus é maior.

CAMPANHA - A campanha publicitária de 2014, além do personagem Zé Gotinha, traz referências de outros personagens conhecidos do público infantil, com o objetivo permitir maior identificação das crianças na hora da vacinação. Foram escolhidos os Minions e a Peppa Pig, além dos mangás, as histórias em quadrinhos de origem japonesa. A campanha já está em divulgação no rádio, televisão, internet, cartazes e também em Digital Out Of Home (DOOH - vídeos utilizados em elevadores, aeroportos e ônibus).

Em novembro, o Ministério da Saúde disponibilizou  a atualização do aplicativo gratuito Vacinação em Dia para tablets e smartphones, lançado em 2013. A ferramenta é uma forma fácil, moderna e ágil de acompanhar o calendário vacinal. Na nova versão já estão disponíveis todas as vacinas ofertadas pelo SUS e o usuário poderá cadastrar até 10 carteiras de vacinação. A partir da inserção da primeira vacina no calendário, o aplicativo calcula quando o usuário deve comparecer novamente para atualizar o esquema vacinal e envia um lembrete por mensagem. A atualização no Android, versão 2.2.3 ou superior, já está disponível no Google Play e no IOS, versão 7 ou superior.


Por Camila Bogaz, da Agência Saúde
Atendimento à Imprensa

(61) 3315-3580 e 3315-6249

Comentários