.

.
.

UFOPA vai destinar 65 vagas para quilombolas



Descendentes de negros que integram comunidades quilombolas terão seleção diferenciada para ingresso na Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) no Processo Seletivo de 2015. Antes de lançar o edital com as regras da seleção, a UFOPA reuniu líderes negros do Baixo Amazonas para apresentar uma proposta de edital. A consulta foi feita durante o Seminário Descentralizado do Processo Seletivo Especial Quilombola, que ocorreu no dia 25 de novembro, no auditório Wilson Fonseca, Câmpus Rondon, em Santarém.

A reitora da UFOPA, Profa. Dra. Raimunda Monteiro, participou da solenidade de abertura e relembrou o início de sua carreira, quando atuou nos movimentos sociais e teve contato com as manifestações da cultura negra.Em seu discurso, ressaltou a importância histórica deste momento em que os líderes negros são chamados para ajudar a criar “o primeiro documento que normatiza a entrada dos quilombolas na universidade”.E completou: “Aqui, nós estamos falando dos dois segmentos mais penalizados nos processos de colonizações das Américas: os povos indígenas e quilombolas”.A reitora lembrou ainda que a UFOPA já está “amparada” legalmente pela Lei de Cotas, cumprida pela Universidade desde 2012. “A libertação se dá pelo domínio do conhecimento”, enfatizou.


Além do Câmpus Rondon da UFOPA, onde ocorreu dia 25 de novembro, o Seminário Descentralizado do Processo Seletivo Especial Quilombola realiza-setambém nas cidades de Oriximiná e Jacareacanga, que concentram boa parte das populações quilombolas do Baixo Amazonas e Tapajós.

Será a primeira vez que a UFOPA realiza seleção especial para ingresso de quilombolas. Por isso, a Pró-Reitoria de Ensino de Graduação (PROEN), a Pró-Reitoria de Gestão Estudantil (PROGES) e a Diretoria de Ações Afirmativas decidiram realizar esses seminários para debater o Processo Seletivo Especial (PSE 2015). Cerca de 150 pessoas, entre lideranças quilombolas e ativistas do movimento negro de Santarém e arredores são esperadas nesses dois dias para debater aspectos do edital, cuja previsão de lançamento é o início do mês de dezembro. De acordo com a reitora, serão destinadas 65 vagas.

“Nós não temos que ter medo de trazer os quilombolas para a Universidade. O que nós temos é a obrigação de abrir as portas para que eles venham não só para receber o que a universidade pode lhes dar de conhecimento, de estudo de oportunidade de ter uma mobilidade social, mas também para vocês trazerem para dentro da universidade o universo da experiência de vocês”.

 Nos arredores de Santarém existem 12 comunidades quilombolas. Na região do Planalto estão as comunidades de Bom Jesus, Tiningui, Mururu, Mururutuba e Patos do Ituqui. Na várzea, estão localizadas as comunidades de Arapemá, Saracura, São José, São Raimundo Surubim-Açu e Maicá. Ao todo 3 mil pessoas vivem nesses locais. De acordo com o vice-presidente da Federação das Organizações Quilombolas de Santarém (FORQS), Raimundo Benedito da Silva Mota, apenas 200 dessas pessoas frequentaram o ensino superior. “A nossa negritude precisa estar na universidade. Precisamos debater o que pode vir a constar nesse edital e também nos próximos para garantir nossa permanência”.

Estiveram presentes o secretário de Educação de Alenquer, Antonio Patrício Leitão, o coordenador Pedagógico da Prefeitura de Alenquer, Wilson José da Silva, a coordenadora de Educação Étnico-Racial da Prefeitura de Santarém (SEMED), Alessandra Caripuna, o diretor de Ações Afirmativas da Pró-Reitoria de Gestão Estudantil (PROGES), Florêncio Vaz, e a pró-reitora de Ensino de Graduação (PROEN), Fátima Lima.

Lenne Santos - Comunicação/UFOPA

Comentários

.

.