.

.
.

.

.

.

.

Alcoa e PROBIO II apoiam cadeia pesqueira em Juruti

Com o apoio da Alcoa, o Probio II (Programa Nacional de Ações Integradas Público-Privadas para Biodiversidade) está avaliando as principais cadeias potenciais do município de Juruti, entre elas a da pesca e da aquicultura. Com base nos aspectos sociais, econômicos e ambientais, está sendo realizado um mapeamento, que indicará as condições atuais e as perspectivas para a produção, além de estratégias para a potencialização dos segmentos no município. O trabalho será finalizado sexta (27), quando será apresentado à comunidade de Juruti um “Plano de Ação e Investimentos para o Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Pesca e Aquicultura”.

Financiado com recursos do Probio, o estudo é fruto de uma parceria institucional, envolvendo o Conjus (Conselho Juruti Sustentável), Funjus (Fundo Juruti Sustentável), com suporte da Alcoa, e Funbio (Fundo Brasileiro para a Biodiversidade), que está operacionalizando a pesquisa.

Fábio Abdala, gerente de Sustentabilidade da Alcoa América Latina e Caribe, avalia que nos últimos anos a piscicultura tem despontado como um grande potencial em Juruti. Ele ressalta que o diagnóstico será fundamental para destacar as cadeias prioritárias de investimentos e as condições de produção, capacitação, logística, aspectos da demanda, bem como as possíveis parcerias com o setor público. “A ideia é que os produtores sejam inseridos no circuito de comercialização e que o diagnóstico forneça as bases para que sejam realizados investimentos de forma inteligente e estratégica. Assim, os pescadores poderão atender pequenos, médios e grandes empreendedores do município. Além disso, queremos desenvolver a economia de Juruti para além da dimensão mineral”, pontua. 

Presente desde 2006 em Juruti, onde opera uma mina de bauxita, a Alcoa incentiva o setor produtivo por meio do Programa de Apoio à Produção Familiar, que integra os Planos de Controle Ambiental (PCAs) da Companhia. Neste âmbito, a empresa beneficia 30 famílias, subsidiando 70% da produção do pescado, cuja comercialização já alcançou mais de sete toneladas no mercado local.


Mauro Luís Ruffino, consultor técnico contratado pelo Probio II, revela que os primeiros resultados do diagnóstico mostram a vocação de Juruti para a pesca artesanal e aquicultura, além de pontos a serem aprimorados ao longo da cadeia produtiva. “Conseguimos perceber que existe uma produção significativa de pescado, no entanto parte desse pescado pode estar saindo para outros municípios, mas a falta de monitoramento não nos permite inferir o percentual que isso representa. O fato é que da forma como se produz hoje, se faz necessário melhorar as condições de armazenamento e comercialização e, assim, oferecer um produto de melhor qualidade ao consumidor”, avalia.

Para o segmento da aquicultura, Ruffino destaca a importância do investimento em capacitação e melhoraria da infraestrutura e beneficiamento para a venda da produção. O consultor ressalta, ainda, que é fundamental trabalhar o manejo de algumas espécies-chave e buscar mercados estratégicos para a venda dessas espécies. “Além de gerar renda para os pescadores, nosso objetivo é realizar todo esse trabalho pautado em ações de sustentabilidade”, completa.

Lucemir Batista Pereira, presidente da Colônia de Pescadores Z-42, considera positiva a ação do diagnóstico em Juruti. ‘‘Com esse diagnóstico, vamos identificar o que queremos e o que será melhor para nós. Quem convive com a pesca, sabe que esse levantamento é o ideal. Essas informações são importantes para avaliar o que podemos agregar à atividade pesqueira. Com o diagnóstico da pesca vamos ter muito futuro”, diz otimista.
Além da cadeia pesqueira e de aquicultura, o Probio II apoiará também o diagnóstico que levantará outras atividades potenciais em Juruti, como a produção de orgânicos e de produtos florestais não madeireiros. “Vamos fazer uma chamada de manifestação de interesse para identificar quais as comunidades que estão trabalhando com esses dois segmentos”, adianta Nicia Coutinho, gerente de Projetos do Funbio.

Serão investidos cerca de R$ 1,5 milhão com recursos do Probio II, que serão complementados com recursos do Funjus, distribuídos para as três principais cadeias produtivas potenciais do município levantadas pelo diagnóstico. Assim que os projetos forem implementados, serão realizadas, em Juruti, oficinas para integrar os diversos atores que fazem parte dos segmentos produtivos – pesqueiro, orgânico e florestal não madeireiro - e trabalho de captação de recursos.

Fonte: Temple Comunicação


Comentários